O Zoológico de Guarulhos, criado em 1981, mantém cerca de 500 animais, de 100 diferentes espécies, priorizando a fauna nacional, com 91% de espécies nativas. O Zoo participa de programas de conservação de espécies ameaçadas, realiza pesquisas científicas e atividades de educação para conservação. Os animais recebem cuidados constantes, tanto preventivos como curativos, por uma equipe de biólogos, veterinários e tratadores, incumbidos da manutenção de sua saúde e bem estar.


A estrutura do zoo conta com 59 recintos de exposição, setor extra e quarentenário, que abrigam os animais residentes e animais recém-chegados e em tratamento. Há no local clínica veterinária e área de manejo, com salas de atendimento, laboratório, sala de cirurgia, área de internação e sala de necropsia, e também um setor de alimentação e biotério para produção de alimentos vivos.

O Zoo possui uma área de mata e lagos que atraem muitas espécies de aves de vida livre, que podem ser observadas e fotografadas facilmente, tornando o passeio ainda mais agradável.


Os Animais


Mutum do sudeste (Crax blumenbachii)

Espécie endêmica da Mata Atlântica de baixada, passa a maior parte do tempo no solo, onde se alimenta de frutos e sementes, e se empoleira para dormir e nidificar. Atualmente é encontrado apenas em 11 localidades em Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia, habitando matas primárias ou em avançada regeneração, sendo muito sensível à caça, alteração e fragmentação de seu habitat. 



Papagaio de peito roxo (Amazona vinacea)

Caracterizado pela coloração arroxeada do peito, este papagaio habita as florestas frias, principalmente matas de araucárias, formando grandes bandos. Antes encontrada desde a Bahia até o Rio Grande do Sul, hoje restringe-se ao sudeste e sul do Brasil. A destruição de seu habitat preferencial e a captura pelo tráfico são grandes ameaças á sobrevivência da espécie.


Lobo guará (Chrysocyon brachyurus)

É uma espécie de pernas longas, coloração alaranjada e orelhas grandes, que habita ambientes abertos como campos e cerrados. Ocorre no Brasil central, áreas do sudeste e sul. Alimentam-se de frutos e pequenos vertebrados, sendo injustamente acusados de predação de aves domésticas, o que leva a sua perseguição e abate, o que, aliado a atropelamentos, ameaça a espécie.



Gato do mato pequeno (Leopardus tigrinus)

O menor felino brasileiro é um animal solitário, de hábito noturno, que habita o solo, mas é capaz de escalar árvores com facilidade, sendo encontrado em todos os biomas do Brasil. A gestação de cerca de 2 meses gera apenas um filhote. Embora possa adaptar-se a áreas modificadas pelo homem, a redução das áreas naturais ameaça a sobrevivência da espécie.

 


Onça pintada (Panthera onca)

Maior felídeo das Américas, ocorre por todo o Brasil, ocupando florestas densas da Amazônia e Mata Atlântica, áreas de Cerrado e Caatinga e o Pantanal. Necessitam grandes áreas com boa quantidade de presas para viver, sendo a redução de habitat e o isolamento ameaças à espécie. Os conflitos devido a predação e os atropelamentos são também fatores de impacto sobre as populações.

 


Onça parda (Puma concolor)

Segundo maior felídeo das Américas, é encontrada em todos os biomas brasileiros. Animal de hábitos noturnos e terrestres, escala árvores com facilidade. Pode gerar de 2 a 4 filhotes em gestação de cerca de 90 dias. A caça, o desmatamento e fragmentação de áreas naturais, a redução da disponibilidade de presas e os atropelamentos são ameaças à sobrevivência da espécie.

 


Arara vermelha (Ara chloroptera)

No Brasil ocorre desde a Amazônia até o oeste do Piauí, Bahia, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e São Paulo. Mede até 90 cm e pesa até 1,5 kg. Os ovos medem cerca de 5 cm, com incubação feita apenas pelas fêmeas em um período de 29 dias. Ameaçada devido ao desmatamento e principalmente a captura de filhotes para o comércio ilegal.


Lontra (Lontra longicaudis)

Ocorrência na Amazônia, cerrado, mata atlântica, pantanal e campos do sul. Alimenta-se de peixes, crustáceos, répteis, aves e pequenos mamíferos. Possui geralmente hábito noturno. Os machos desta espécie apresentam hábito solitário e só se juntam à fêmea para reprodução. As principais ameaças são perda de habitat, poluição da água e caça.


Cateto (Tayassu tajacu)

Habita florestas de montanha, desertos, cerrados, savanas e zonas úmidas. O adulto mede de 75 a 100 cm e 45 cm de altura, com peso variando de 14 a 30 kg. Batem os dentes quando se sentem ameaçados. São predominantemente herbívoros. A gestação é de 145 dias nascendo de um a quatro filhotes. Precisam de áreas extensas e contínuas para obtenção de recursos, motivo provável de ameaça de extinção, além da caça.

 


Urubu rei (Sarcoramphus papa)

Ocorre em florestas densas e áreas abertas adjacentes. Devido à baixa reprodutividade da espécie e a degradação do seu habitat, é uma espécie cada vez mais rara. Possui envergadura que varia de 170 a 198 cm e peso de 3 a 5 kg. Ave diurna de grande importância ecológica, já que se alimenta de carcaças. Sua distribuição se dá em todo Brasil, sendo mais comum no norte, nordeste e centro oeste.

 


Arara Canindé (Ara ararauna)

Habita florestas úmidas, matas de galeria, buritizais e palmais diversos. Também conhecida como arara amarela, mede cerca de 80 cm. Migra em certas épocas do ano, em busca de alimento. Desloca-se grandes distancias durante o dia, alimentando-se basicamente de sementes, frutas e nozes. Uma das araras mais apreciadas em cativeiro, sendo este o principal motivo de ameaça.


Mutum de penacho (Crax fasciolata)

Vive aos pares ou pequenos grupos familiares. Ave ocorrente no sul do Amazonas, Maranhão, e do Brasil central até o oeste de São Paulo, Paraná e Minas Gerais. Em risco de extinção principalmente devido à caça e perda de habitat. Mede cerca de 83 cm e pesa em média 2,5 kg. Macho todo preto com a barriga branca e fêmea com barriga cor de canela. Alimenta-se de frutas, folhas e brotos de plantas.

 


Tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla)

Rosto alongado e fino, grande língua com saliva pegajosa e garras fortes são evidências da adaptação do tamanduá a uma alimentação exclusiva à base de formigas e cupins. Solitário, encontra parceiros apenas para a reprodução. Nasce um filhote após gestação de 190 dias. Habita cerrados, campos e florestas úmidas das Américas do Sul e Central. A espécie é vítima de atropelamentos, incêndios e caça ilegal.


Anta (Tapirus terrestris)

O maior mamífero terrestre do Brasil, atingindo até 300 kg. Possui narina longa e flexível semelhante a uma tromba. É excelente nadadora. Alimenta-se de folhas e frutos, sendo importante dispersora de sementes. Filhotes são manchados de branco para se camuflar. Possui hábito predominantemente noturno. Desmatamentos e caça ilegal são as principais ameaças à espécie.

 


Mico-leão-de-cara-dourada (Leontopithecus chrysomelas)

Vive em grupos de até 12 animais, no qual há apenas uma fêmea reprodutora que gera dois filhotes por gestação. Alimenta-se predominantemente de frutos e insetos. Vive cerca de 15 anos. Dorme em oco de árvores. Ocorre no sul da Bahia e nordeste de Minas Gerais. Desmatamentos e comércio ilegal reduziram severamente sua população.


Sagui-da-serra-escuro (Callithrix aurita)

Vive em grupos de até sete animais. Alimenta-se de frutos, goma de árvores, insetos, ovos e pequenos vertebrados. Habita as florestas da Mata Atlântica, do Rio de Janeiro e Minas Gerais a São Paulo. A espécie sofre com o desmatamento, captura e comércio ilegal e introdução de outras espécies de saguis invasores, como os de tufo-branco e de tufo-preto, com os quais competem e hibridizam.

 


Bugio-ruivo (Alouatta clamitans)

Vive em grupos de até 15 indivíduos. Alimenta-se de folhas e frutos, sendo importante dispersor de sementes. Sua voz rouca e forte pode ser ouvida até 5 km de distância. A cauda preênsil é usada como quinto membro. Vive cerca de 20 anos. A gestação é de 185 a 195 dias, nascendo apenas um filhote. Habita as florestas da Mata Atlântica, do Rio de Janeiro ao Rio Grande do Sul, e também da Argentina.


EMA (Rhea americana)

Maior ave das Américas, podendo chegar até 1,40 m. Ocorre em campos naturais, cerrados e áreas agropecuárias. Machos diferem das fêmeas por possuírem a região anterior do peito e pescoço negra. Alimenta-se de frutos, folhas, sementes, insetos e pequenos animais. Ingere pedras para auxiliar na digestão. Ameaçada de extinção devido principalmente à caça.


SAGUI DE TUFO BRANCO (Callithrix jacchus)


SAUÁ (Callicebus nigrifrons)

 


CISNE NEGRO (Cignus atratus)


GANSO AFRICANO


IRERÊ (Dendrocygna viduata)


CÁGADO DE BARBICHA (Phrynops geoffroanus)


TARTARUGA DE ORELHA VERMELHA (Trachemys s.elegans)

 


GAVIÃO CARIJÓ (Rupornis magnirostris)


GAVIÃO CARRAPATEIRO (Milvago chimachima)


GAVIÃO PERNILONGO (Geranospiza caerulescens)

 


URUBU COMUM (Coragyps atratus)


SUINDARA (Tyto furcata)

 


MOCHO ORELHUDO (Asio clamator)


CARCARÁ (Caracara plancus)


VEADO CATINGUEIRO (Mazama gouazoubira)


JABUTI PIRANGA (Chelonoidis carbonaria)


TEIÚ ARGENTINO (Tupinambis rufescens)


IGUANA (Iguana iguana)


CÁGADO CABEÇUDO (Mesoclemmys tuberculatas)


TARTARUGA MORDEDORA (Chelydra serpentina)

 


TARTARUGA DO RIO COOTER (Pseudemys conccinna)


JIBOIA (Boa constrictor)


FURÃO (Galictis cuja)


QUATI (Nasua nasua)


JACARÉ DO PAPO AMARELO (Caiman latirostris)


PICA-PAU BRANCO (Melanerpes candidus)

 


GRAÚNA (Molothrus oryzivorus)


ANACÃ (Deroptyus accipitrinus)


PAPAGAIO VERDADEIRO (Amazona aestiva)


MAITACA DE CABEÇA AZUL (Pionus mestruus)

 


MARIANINHA DE CABEÇA AMARELA (Pionites leucogaster)


PERIQUITO VERDE (Brotogeris tirica)


PERIQUITO DE ENCONTRO AMARELO (Brotogeris chiriri)


MARACANÃ NOBRE (Diopsitaca nobilis)

 


MARACANÃ DO BURITI (Primolius maracana)


TIRIBA DE TESTA VERMELHA (Pyrrhura frontalis)


JANDAIA MINEIRA (Aratinga auricapillus)


JANDAIA COQUINHO (Eupsittula aurea)

 


MUTUM CAVALO (Pauxi tuberosa)


URUMUTUM (Nothocrax urumutum)


TURACO DE FACE BRANCA (Tauraco leucotis)


JACUGUAÇU (Penelope obscura)


TUCANO DE BICO VERDE (Ramphastos dicolorus)


TUCANO DE PEITO BRANCO (Ramphastos tucanus)


TUCANO TOCO (Ramphastos toco)

 


JANDAIA MARACANÃ (Psittacara leucophthalmus)


GRALHA PICAÇA (Cyanocorax chrysops)


GRALHA DO CAMPO (Cyanocorax cristatellus)


SERIEMA (Cariama cristata)


LEÃO (Panthera leo)


GATO MOURISCO (Puma yagouaroundi)


CAPIVARA (Hydrochaeris hydrochaeris)



fonte: http://www.guarulhos.sp.gov.br/zoologico/o-zoo.html

fonte: http://www.guarulhos.sp.gov.br/zoologico/animais.html

Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar sua experiência. Ao navegar nesse site, você concorda com a nossaPolítica de Cookies